Um Futuro Sem Condutor Ameaça as Financeiras das Montadoras

O que acontecerá com as empresas de serviços financeiros das montadoras quando os carros dirijam sozinhos e possuir um veículo não seja mais interessante?

Por muitos anos, os fabricantes de automóveis investiram zilhões de dólares no desenvolvimento e operação de suas próprias empresas de serviços financeiros, a fim de tornar seus veículos acessíveis aos seus clientes. As condições de leasing e financiamento têm sido, muitas vezes, mais importantes que o preço do veículo. A montadora, os revendedores e a empresa de serviços financeiros dominaram como agrupar o preço do veículo e a taxa de juros do financiamento, para que a operação de compra fosse mais atraente para os clientes.

Graças aos serviços financeiros, muitos clientes podem ter acesso a carros, caminhões e ônibus próprios. E o acesso, neste caso, significa propriedade. Leasing e financiamento são, de fato, meios para facilitar a propriedade de um bem, neste caso, um veículo.

Agora estamos falando de um futuro diferente neste mercado. Todos os fabricantes estão desenvolvendo seus sistemas para automatizar seus veículos. Veículos que podem ir da origem ao destino sem um ser humano sentado no banco do motorista. Esse desenvolvimento já existe há muito tempo. Começou, há muito tempo, com o controle de cruzeiro. Mais tarde, o controle de cruzeiro inteligente chegou, permitindo que os carros reduzissem a velocidade de acordo com o tráfego. Sistemas de estacionamento automatizados também são um componente do desenvolvimento. Os carros que podem estacionar sozinhos não são mais novidade. Nem os carros que prestam mais atenção ao tráfego do que seus motoristas. Esses carros podem travar em caso de necessidade e podem permanecer na faixa mesmo que o motorista não esteja prestando atenção no caminho. Agora vem o nível de autonomia dos olhos. Isso significa que o motorista não precisará prestar atenção na estrada nem no trânsito. O veículo cuidará automaticamente desses “detalhes”. Em seguida, vem o nível de autonomia da mente. Não será necessário nem pensar na jornada à medida que ela se desenvolve. Vamos simplesmente programar o destino, sentar e ler um livro ou jogar um videogame.

Não vai demorar até vermos nas ruas os carros se movendo sem pessoas lá dentro. É justo imaginar que os carros estarão amplamente disponíveis como meio de transporte e, basicamente, como uma mercadoria. Atualmente, as pessoas precisam comprar um carro e, além da necessidade, há um desejo. Querem comprar um determinado modelo porque é atraente, é divertido de dirigir. Os clientes satisfazem sua necessidade de ter um carro usando planos de leasing e financiamento para tornar sua compra acessível. Mas e se as pessoas não precisarem mais comprar um carro? Além disso, e se o carro não for mais divertido de dirigir porque dirige sozinho? O que acontecerá com as empresas de serviços financeiros automotivos quando os clientes não tiverem a necessidade de ter um carro nem quiserem um carro que seja “divertido de dirigir”. Que tipo de serviços financeiros será necessário no futuro quando os carros que dirigem sozinhos estão amplamente disponíveis como meio de transporte e as pessoas não precisarão possuí-los?

Provavelmente, as grandes empresas de serviços financeiros pertencentes aos fabricantes de automóveis terão que ser convertidas em grandes empresas de aluguel que serão donas dos veículos, disponibilizando-os aos clientes e cobrando pelo uso deles. Imagine um futuro quando você sinaliza para um carro, com o braço ou o celular, exatamente como você sinaliza para um táxi ou Uber hoje, especifique o destino desejado e o carro o levará até lá. No final da viagem, o carro cobrará automaticamente no cartão de crédito o valor devido. Provavelmente o preço será por minuto ou de acordo com a distância. Também podemos pensar em programas de milhagem para aumentar a lealdade a uma certa frota de carros sem motorista. Bem, alguém terá que possuir esses carros, mantê-los, otimizar suas rotas para torná-los imediatamente disponíveis quando um cliente comum precisar deles.

Assim como uma empresa de táxi, mas sem motoristas.

Uma resposta para “Um Futuro Sem Condutor Ameaça as Financeiras das Montadoras”

  1. Temos por obrigação sintonizar com o rápido processo de mutação. As tendências são fatos, e não adianta postergar um futuro óbvio. Creio todavia, que os usuários não deixaram de possuir seus veiculos, mesmo que eles não se faça necessário de um condutor. Percebam, no momento atual, ja encontramos vários concessionários inovando com locação de veículos, além de comercializa-los. Instituições financeiras renovem-se…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.