Inteligência Artificial – Algumas aplicações

Fala-se muito em Inteligência Artificial (AI, pelas suas iniciais em inglês) e como ela terá consequências em nossas vidas. Sob a influência de filmes de ficção científica, começamos a imaginar que computadores, robôs e máquinas em geral tomarão o poder e nos escravizarão aos humanos. Mas não é assim.

A AI é definida como a capacidade de um processador para executar funções cognitivas que associamos à capacidade que temos de pensar. São funções como reconhecer um rosto, entender quando alguém está apontando algo com gestos e perceber tendências a partir do exame dos dados disponíveis. Os avanços tecnológicos nos circuitos eletrônicos resultaram em computadores capazes de processar grandes quantidades de dados em velocidade muito alta. E o desenvolvimento continua avançando. É por isso que foram desenvolvidos algoritmos capazes de desempenhar funções cada vez mais complexas, como funções cognitivas. Mas, por mais complexa que seja a tarefa, ainda é um computador processando dados por meio de um programa que um grupo de pessoas escreveu.

Por exemplo, o computador que dirige um veículo autônomo deve ter a capacidade de reconhecer na imagem tirada por sua câmera que há um policial na rua. No processamento da imagem, é necessário reconhecer se é um policial que está sinalizando algo para que o carro avance, desvie ou pare, ou não esteja apontando nada, ou mesmo se é um policial que não está fazendo nada mais que atravessar a rua indo para o seu trabalho. E todo esse processo de reconhecimento precisa levar frações de segundos, como o nosso cérebro. Fazemos isso intuitivamente, com base em nossa capacidade de reconhecer e raciocinar. Uma máquina precisa fazer isso com base em um programa carregado. O reconhecimento de imagem tem muitas aplicações e não é necessário esperar que os carros dirijam sozinhos para verificá-las. Controle de qualidade em uma linha de produção, segurança interna nas empresas, reconhecimento de documentos como faturas e remessas, controle de presença e desempenho dos funcionários, melhorias na logística, a lista parece interminável. Pense em como um computador pode otimizar a carga de um caminhão com base no reconhecimento do espaço disponível, no plano de viagem e no conhecimento das dimensões dos pacotes que devem ser distribuídos.

Outro exemplo, mas que nada tem a ver com o reconhecimento de imagens, está no processamento de grandes volumes de dados. Nas aulas sobre como elaborar um plano de negócios, temos um capítulo sobre projeções, que usamos para estimar o mercado e, portanto, o potencial para vendas futuras. Muito importante para fazer projeções é entender as correlações entre as variáveis ​​de um negócio. Por exemplo, perguntamos aos participantes se pode haver alguma correlação entre crescimento econômico e consumo de vinho, ao qual eles respondem, intuitivamente, que é muito provável que exista uma correlação positiva, ou seja, que as pessoas consumam mais vinhos como os resultados econômicos do negócio são bons. A mesma intuição não é tão direta quando os participantes são questionados sobre a correlação entre crescimento econômico e consumo de sal. A intuição é difícil porque a resposta tem a ver com mais variáveis, que seriam costumes, tipos de alimentos, produtos que podem substituir o sal e outros. Bem, um computador pode processar uma enorme quantidade de dados históricos sobre o assunto e perceber as correlações entre as variáveis ​​com muito mais eficiência e rapidez do que o nosso cérebro, a fim de nos ajudar com a resposta. É a inteligência artificial usada para melhorar as decisões de negócios. O resultado é que nossas projeções de vendas e de mercado serão mais precisas, levando em consideração mais variáveis ​​e mais correlações. A inteligência artificial ajuda a melhorar os planos de negócios quando você tem dados históricos sobre quais estimativas podem ser feitas.

Na área de recursos humanos, a AI pode ajudar muito na seleção de pessoal a ser contratado, além da escolha de quais funcionários devem ser designados para um projeto com base em seu conhecimento, educação, resultados, preferências e disponibilidade. Além disso, acompanhe seu desempenho em cada uma de suas tarefas. No Marketing, os aplicativos são muitos. O computador portátil, ou seja, o smartphone, pode sugerir que seu proprietário vá comer algo em um determinado restaurante com base em sua localização, agenda para o resto do dia, meios de locomoção, preferências alimentares e comentários de clientes anteriores. O smartphone também notifica seu proprietário quando ele deve terminar sua refeição e partir para o próximo compromisso, bem como o caminho que ele deve seguir com base no tráfego, ruas cortadas para manutenção, obras ou outras causas. Também em Marketing, vemos hoje que, por meio de publicidade programática, somos bombardeados por publicidade baseada no que procuramos no Google.

Há muito mais. Muito mais aplicativos e cada vez mais sofisticados. Os empresários podem esperar que a AI contribua cada vez mais para o desenvolvimento dos negócios, fornecendo mais eficiência, redução de custos, melhor processamento dos dados disponíveis, redução do tempo de desenvolvimento do produto e maior lucratividade. Quanto mais empreendedores entenderem a AI, mais aplicativos teremos e mais negócios eficientes podemos esperar. Essa é, sem dúvida, a melhor qualidade das decisões de negócios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.