Mais alto que o vírus

Parece que a quarentena está terminando em breve!

As notícias da Europa e dos Estados Unidos são “boas” agora que a pandemia está diminuindo em seus números terríveis. As aspas são porque os dados de contágio e morte nunca são bons, mesmo que sejam pequenos. Aqui na Argentina, as províncias já estão na vida quase normal, enquanto a região metropolitana de Buenos Aires ainda está no confinamento, mas um pouco mais flexível. Por fim, o pesadelo parece terminar!

Será que devemos ser tão otimistas? Essa é a pergunta que me faço todos os dias quando os números são publicados. Assim que a quarentena começou a se flexibilizar, o número de infecções aumentou. Coincidência ou consequência?

Existem muitas versões, dependendo de quem responde à pergunta.

Além do fato de o presidente ter declarado, em 9 de maio, que a curva havia sido achatada e os números subsequentes não a comprovaram o que ele disse, há pessoas que dizem que houve um erro inicial na estratégia, algo como um pecado original. O que eles dizem é que a quarentena começou muito cedo, quando ainda não era necessária, devido ao medo do governo de saber que o sistema de saúde não estava pronto. Por isso parece que nunca acaba. É a quarentena mais longa do mundo, passou de quarentena para oitentena e chegará a centena antes de terminar.

Bem, eu não sou especialista no assunto, então não sei se essa versão está correta. Eu apenas menciono isso para alguém investigar e confirmar ou não.

O que me parece irreversível é que a oitentena termina. Se não for por lei, será porque está too mundo farto e por necessidade financeira. Veja o que aconteceu na segunda-feira em Buenos Aires com a corrida. No primeiro dia, milhares de pessoas se reuniram, certamente muitas não se dedicam a correr e nunca fizeram isso na vida. Mas havia uma enorme demanda reprimida, a demanda para sair de casa. Certamente hoje, três dias depois, ainda há pessoas cujos músculos sofrem da atividade de segunda-feira, porque foi a primeira vez que eles fizeram isso na vida.

Ao ler muito sobre o vírus Corona nesses dias de confinamento, fico feliz porque, como diria Michael Porter, tenho uma vantagem competitiva. Esse vírus é, entre todos os outros vírus conhecidos, um vírus grande porque mede no máximo 160 nanometros. Exatamente! Medido em metros, seria 0,00000016. O bom disso é que o vírus, quando jogado no ar por um espirro, tosse ou apenas pela voz de uma pessoa infectada, cai no chão por gravidade.

A vantagem competitiva é que eu sou alto, ou seja, com sapatos e meias grossas de inverno, estou acima do metro e noventa. Estou acima da boca e do nariz da maioria das pessoas. De fato, de muitas pessoas vejo seus cabelos por cima e vejo partes de seus cabelos que nem o próprio dono pode ver no espelho. Pego o ar onde poucas pessoas podem lançar vírus, onde o ar é mais puro e menos poluído.

Feito então! Da minha parte, o confinamento acabou!

Em tempo: por precaução, vou colocar uma máscara. Esse verme chinês é grande, mas é leve. Que não venha uma brisinha e leve o virus a visitar novas altitudes!

Uma resposta para “Mais alto que o vírus”

  1. Caro Fernando, boa noite !!!
    Mesmo Você tendo uma vantagem competitiva, kkkkkkk, tome cuidado, pois este vírus é traiçoeiro, como já somos senior não devemos esqueçer daquele ditado: seguro morreu de velho. Forte abraço !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.